nostopa
Em 22 anos de carreira, Nô Stopa experimentou sonoridades e formações musicais diversificadas, o que é, ao mesmo tempo, resultado e resultante de sua pluralidade como artista. Começou nas artes como bailarina e artista circense, e só depois, passou a se dedicar à carreira de cantora e compositora, herança musical que também pode ser atribuída a seu pai, o cantor e compositor mineiro Zé Geraldo.


Carreira solo | suas primeiras composições datam de 1998, e seu primeiro disco em 2004.

1999 | O Novo Amanhece (Kuarup) | álbum de Renato Teixeira e Zé Geraldo, onde interpreta duas canções próprias;
2004 | Camomila e Distorção (Sol do Meio Dia | Tratore);
2010 | Novo Prático Coração (Sol do Meio Dia | Tratore);
2015 | Manifesto Poesia (Sol do Meio Dia | Unimar) - Realizado pelo PROAC 2014.

Projetos paralelos

Banda Mirim | projeto do qual é integrante desde 2004, quando foi criado, e atua como cantora, compositora, atriz, bailarina e artista circense, tendo participado de 10 espetáculos musicais.

2005 | Felizardo (CD Independente);
2010 | Espoleta (CD Gravado pelo Selo SESC);
2014 | Primeira Cartilha e Segunda Cartilha (álbuns realizados pelo Programa de Fomento ao Teatro 2015 em comemoração aos 10 anos do grupo).

Duas Casas | projeto realizado em parceria com o músico Bhezão (Folk na Kombi). Em 2017 foi lançado, de forma independente, o CD homônimo Duas Casas.

Integra também a banda Zoró Zureta, projeto do maranhense Zeca Baleiro destinado ao público infantil; participa como cantora e artista circense da trupe d'O Teatro Mágico desde sua formação e faz parte da Companhia Giz de Cena, grupo de dança contemporânea para crianças, onde atua essencialmente como musicista.

Recentemente lançou dois singles: 'Confetes' (Nô Stopa e Érico Theobaldo) e 'Dedo de Moça'(Nô Stopa e Rita Maria); e foi contemplada pelo Prêmio Funarte RespirArte com o vídeo 'Dedo de Moça', gravado em isolamento social.

Atualmente prepara repertório para seu próximo álbum, que trará parcerias com compositores de relevante importância em sua trajetória, como Zeca Baleiro, Chico César, Vanessa Bumagny, Renato Teixeira, Paulinho Pedra Azul, Bhezão, Júlio Maria, Márcio Pazin, Fernando Anitelli e Zé Geraldo.
Nô Stopa